Bibliofilia: Amor por livros e por ler. O Bibliófilo ama ler e sente devoção pelos livros, colecciona-os e admira-os.

03/09/2013

Letters from Skye

Autora: Jessica Brockmole

Publicado por: Ballantine Books (Julho 2013)

Nº de páginas: 304

Sinopse: A sweeping story told in letters, spanning two continents and two world wars, Jessica Brockmole’s atmospheric debut novel captures the indelible ways that people fall in love, and celebrates the power of the written word to stir the heart.

March 1912: Twenty-four-year-old Elspeth Dunn, a published poet, has never seen the world beyond her home on Scotland’s remote Isle of Skye. So she is astonished when her first fan letter arrives, from a college student, David Graham, in far-away America. As the two strike up a correspondence—sharing their favorite books, wildest hopes, and deepest secrets—their exchanges blossom into friendship, and eventually into love. But as World War I engulfs Europe and David volunteers as an ambulance driver on the Western front, Elspeth can only wait for him on Skye, hoping he’ll survive.
June 1940: At the start of World War II, Elspeth’s daughter, Margaret, has fallen for a pilot in the Royal Air Force. Her mother warns her against seeking love in wartime, an admonition Margaret doesn’t understand. Then, after a bomb rocks Elspeth’s house, and letters that were hidden in a wall come raining down, Elspeth disappears. Only a single letter remains as a clue to Elspeth’s whereabouts. As Margaret sets out to discover where her mother has gone, she must also face the truth of what happened to her family long ago.


Opinião: A história divide-se entre duas linhas temporais distintas, contada pelas cartas trocadas entre duas gerações de mulheres cujas vidas foram interrompidas pela guerra. Começamos por conhecer Elspeth, uma poeta escocesa que vive e sempre viveu na isolada Ilha de Skye, no norte da Escócia, e David, um jovem e boémio estudante universitário norte-americano. A distância de dois mundos entre estas duas pessoas torna-se insignificante em cada volta do correio, em cartas onde partilham autores e livros favoritos, confidências e sonhos pessoais, numa troca de correspondência que se mantém, mesmo no auge da Primeira Guerra Mundial. Em correspondência datada de algumas décadas mais tarde, em plena Segunda Guerra Mundial, conhecemos Margaret, filha de Elspeth, que acaba se de apaixonar por um piloto da Força Aérea Britânica, e que não entende a reticência da mãe em aprovar um romance nascido no seio de uma guerra. 

Este livro chegou-me electronicamente às mãos, totalmente por acaso. Estava a pesquisar títulos de livros no catálogo do NetGalley, quando o nome Skye me chamou a atenção, e fiz o pedido para me ser enviada uma cópia do e-book antes da publicação do livro. Não sabia absolutamente nada acerca do enredo do livro, uma vez que apenas li a sinopse até ao ponto em que me confirmou que a história envolvia de facto a minha ilha escocesa favorita (a única que visitei, sejamos honestos). Dois meses depois, passeando pelo Goodreads em busca da minha leitura seguinte, verifiquei que a minha adorada Juliet Marillier tinha gostado do livro, e comparava-o a um outro que eu própria adorei: A Sociedade Literária da Tarde da Casca de Batata, de Mary Ann Shaffer and Annie Barrows. 

Portanto, além da aprovação da minha querida Juliet, este livro continha elementos-chave para mim: romance epistolar, período histórico da Segunda Guerra Mundial, e Escócia. Como não gostar? E a verdade é que gostei. Fui cativada imediatamente pela primeira carta de David, e assim continuei até à última de todas, que quase me fez chorar. Com os mesmos remetente e destinatário, essas duas cartas, separadas por décadas e vidas inteiras, não podiam ser mais diferentes. Entre estas duas cartas há uma belíssima história de amizade, destino e sentimentos profundos que surgem como se sempre estivessem lá estado. Há cartas divertidas e cartas sérias, que relatam felicidade e guerra, e cartas mundanas de rotinas e novidades, e mesmo no meio de desgraças um tom espirituoso que me fez sorrir. 

Em todas as cartas há uma voz particular da personagem que a escreve. Quantas vezes saltei o cabeçalho com data e local, ansiosa por chegar ao texto, e sabia de imediato de quem e para quem era a carta, quase como se fosse um filme e ouvisse a voz do actor a ler a carta em voz alta, e visse a imagem do destinatário a lê-la.

A dada altura na leitura achei que a história se ia focar unicamente no lado romântico, e fui agradavelmente surpreendida com uma complexidade inesperada na narrativa, com dilemas e situações envolvendo outras personagens secundárias, e até um pouco de mistério, à medida que Margaret se esforça por entender o passado e a origem das cartas da mãe. 

Este não é um livro brilhante nem uma história extraordinária. Nem sequer tem no tema ou no cenário algo de particularmente original. No entanto, algo neste livro é genuíno e tocante, e está escrito duma forma cativante, que demonstra o talento da autora para nos fazer gostar das personagens que estamos a seguir. O facto de lermos a sua correspondência e nada mais, sem outro narrador que não as cartas que estas personagens enviaram, permite-nos seguir esta história quase em suspenso, como se ansiássemos também nós pela carta seguinte, com o desenrolar dos acontecimentos. Ao mesmo tempo, as cartas estão realisticamente escritas, o que implica por vezes a menção de acontecimentos passados entre as personagens, que não sendo descritos nas cartas entre ambos, deixam o leitor ansioso por descobrir o como e o porquê.  

Achei o tom das cartas simplesmente delicioso, e senti saudades dum tempo em que seres humanos comunicavam desta forma entre si. Se tivesse nascido nesse tempo seria algum dia capaz de escrever cartas tão espirituosas e marcantes? Manter uma correspondência tão frequente e sólida? Dificilmente. Porque afinal de contas trata-se de um livro de ficção, e tal como qualquer bom livro que se preze, quase nos faz desejar que as suas personagens sejam verdadeiras e a sua história seja real. 

Ideal para quem gosta de romances epistolares, mas não só, este foi uma leitura que me deu bastante gozo e que fico contente por tão casualmente a ter descoberto. 

O melhor: A personagem de Elspeth e a busca de Margaret.

O pior: A personagem do noivo de Margaret, sub desenvolvida, como se apenas para criar um destinatário para as suas cartas.


4/5 - Gostei bastante


Sem comentários:

Publicar um comentário